28 de julho de 2020.

Apesar do número de vítimas de violência doméstica ter apresentado queda em relação a 2019, no período de isolamento social (de 13 de março a 30 de abril) a proporção de crimes mais graves que ocorreram em casa aumentou, aponta o último relatório do Instituto de Segurança Pública do Rio de Janeiro – ISP.

Devido a cenários semelhantes em outros estados, o Conselho Nacional de Justiça – CNJ, em parceria com a Associação dos Magistrados Brasileiros – AMB e a Associação Brasileira Redes Farmácias Drogaria – ABRAFARMA, decidiu criar a campanha Sinal Vermelho Contra a Violência Doméstica, abrangendo todo o país.

A Prefeitura de São João de Meriti, por meio da Superintendência de Políticas para Mulheres abraçou a causa, que consiste em cadastrar farmácias e treinar funcionários para que recebam a denúncia por parte da mulher que entrar no estabelecimento apresentando um “X” na palma da mão (ou em um pedaço de papel) sinalizando que precisa de ajuda. Discretamente, o funcionário acionará a Polícia Militar (190), que já vem sendo capacitada para atender os chamados dos estabelecimentos e, a se possível, conduzirá a vítima até uma sala reservada do estabelecimento.

Em entrevista concedida à prefeitura nesta segunda-feira (27/7), a juíza Renata Macedo, do Juizado de Violência Doméstica e Especial Criminal de São João de Meriti e responsável pela campanha na Baixada Fluminense, ressaltou que os funcionários não serão conduzidos à delegacia como testemunhas, tão pouco arrolados em processos, sendo apenas comunicantes, ou seja, não serão envolvidos em nenhum caso.


“Assim que a mulher tiver a oportunidade de ir a uma farmácia, ela deve apresentar o ‘X’ ao atendente e ele vai acionar o socorro discretamente”, disse a magistrada.

A juíza ressalta ainda que durante a pandemia, apenas em São João de Meriti, chegaram a ser expedidas cerca de 10 medidas protetivas por dia, ou seja, centenas de casos por mês.

“Entendemos que é muito mais fácil para a mulher pedir ajuda na farmácia do que ir em uma delegacia de polícia. Então, peço a vocês que se sintam acolhidas pela justiça e pela Prefeitura de São João de Meriti. Denunciem seus agressores”, disse.

Já quanto aos donos de farmácias, a juíza ressalta que é uma questão de responsabilidade social, e que “O comerciante que quiser participar da campanha poderá enviar um e-mail (endereço abaixo) com alguns dados e pronto”, completou.

Centro de Atendimento à Mulher – CEAM

A Prefeitura de São João de Meriti dispõe de um Centro de Atendimento à Mulher – CEAM, local que acolhe cerca de quatro mil vítimas de agressão, explica Marcela Brainher, superintendente de Políticas para Mulheres e responsável pelo CEAM. Ela conta que muitas mulheres não denunciam as agressões que sofrem, o que faz com que o número seja ainda menor do que a realidade e deixa um recado:

“Você farmacêutico, colabore com a gente nessa questão social, e você, mulher que está passando por isso, saiba que não está sozinha, no CEAM você tem profissionais para te atender e te acolher.”

Equipes da prefeitura já estão percorrendo o município para adesão das farmácias e capacitação dos funcionários. Vale ressaltar que o desenho do “X” na palma da mão ou em um papel é uma forma de comunicar a agressão, porém o mais importante é que a pessoa sinalize ao atendente que está precisando de apoio.

Utilidade

Para cadastrar sua farmácia na campanha envie um e-mail para: superintendencia.mulher.sjmeriti@gmail.com

Polícia Militar: 190

Centro de Atendimento à Mulher – CEAM: Rua Defensor Público Zilmar Pinaud,122, Vilar dos Teles. De segunda a sexta-feira, das 9h às 17h. Tel.: 21 2651-1198, 2662-7626 e 966 535 883 (WhatsApp).

Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência: 180

Disque Denúncia: 21 2253-1177

Direitos Humanos (menores de idade e idosos): 100 

Delegacia on-line: https://dedic.pcivil.rj.gov.br/

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>